quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

Cada macaco no seu galho!

Muito interessante o conceito de separação da palavra “Kadosh”. Em marketing poderíamos usar o termo “segmentação”, divisão de nichos por afinidades e interesses. Mas no dialeto do nicho religioso o sentido é “santidade”.
O sentido religioso é o sentido mais comum, mas a origem da palavra explica muita coisa, pois todos os termos oriundos da raiz da palavra Kadosh significam “SEPARAÇÃO”.
Separar significa criar compartimentos, ou seja, o processo de compartimentalização é algo bem compreendido pelo povo do marketing também.
O dito popular fala em cada macaco no seu galho, mas se cada macaco for para o seu galho certamente seria o fim da espécie!
O Beit Hamikdash , o grande tempo em Jerusalém, tinha um lugar compartimentado, bastante separado chamado, Kadosh Kedoshim, logo significa o "Separado dos Separados" , onde o acesso era vedado. A divisão era feita por um véu, na verdade uma espessa cortina.

Até hoje as cortinas criam sensação de privacidade, porque separam. Quem já viajou de avião deve ter observado que a separação entre primeira classe a classe econômica é uma cortina. Assim que o avião decola a aeromoça puxa uma cortina separando a primeira classe. São as companhias aéreas tentando nos impedir de ver a boas refeições dos passageiros da primeira classe, enquanto nós réles mortais nos fartamos com amendoins e bolachas!
Então a primeira classe está santificada! Sim...separada!

Interessante, como a separação estabelecida não é um apartheid que transforma o mundo em castas raciais, mas uma separação comportamental. A justiça dos homens e a justiça de Deus são como óleo e água. Não se misturam! De fato no livro de Isaías a justiça dos homens é chamada de trapo de imundice, ou seja, pano de chão de banheiro masculino em posto de gasolina em estrada vicinal!

Mas somos separados também. Não para a santidade de Deus mas para a “mundanidade” do mundo. Ou seria modernidade?

Interessante é que antes da destruição do templo, a cortina foi rasgada e o "Santo dos Santos" foi exposto. E teve muita dor para isso! Como uma raiz de dente exposta num tratamento de canal que lateja, pulsa, e gera uma dor insuportável, a presença de Deus passou a ser acessível a todos pela dor de apenas uma pessoa. Quando Yeshua disse: "Está consumado!" , ele deu inicio ao processo de Tikkun, onde nós vamos nos separar sim, do mundo!

Macaco, olha o teu rabo, e volta para o seu galho!

1 comentários:

Metushelach Ben Levy disse...

Só um adendo para complementar o que a Justiça do Homem é diante de D-us “Trapo de imundícia era uma espécie de absorvente íntimo utilizado pelas mulheres na época do profeta Yeshayáhu. Que cena dantesca teremos ao imaginar alguém tentando limpar alguma coisa com tal trapo, quanto mais se lustra, mais sujeira se espalha, tornando o objeto mais imundo do que antes, é isso que a justiça humana sem D-us analogamente faz.

Postar um comentário